CDL NH ajuda Banco de Alimentos

doação alimentos

Doação contribuirá com 63 entidades

 

A palestra realizada pela Sancal Assessoria Empresarial na sede da CDL NH resultou na arrecadação de 55kg de alimentos, que foram doados para o Banco de Alimentos Região do Calçado. A entrega foi realizada pelo presidente da CDL NH, Gilberto Kasper, o diretor de marketing da CDL NH, Jorge Stoffel, a executiva, Vera Lange e a gerente comercial, Graziele Jung. De acordo com o gestor administrativo, Neli Santos da Silveira, a organização de Novo Hamburgo auxilia não apenas entidades carentes da nossa cidade, mas também os municípios de Campo Bom, Sapiranga e Estância Velha. No total, 63 entidades são atendidas pelo Banco de Alimentos Região do Calçado. Quem quiser contribuir para ir diretamente ao endereço que fica na Rua 5 de abril, nº 29 centro de NH. De segunda à sexta-feira das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30. O telefone para informações é o 3527.0044.

Sobre o Banco de Alimentos

O Banco de Alimentos é uma organização da Sociedade Civil de Interesse Público, criado no ano de 2000, no Conselho de Responsabilidade Social e Cidadania da FIERGS, que desde então já arrecadou e distribuiu mais de 30 milhões de quilos de alimentos.

A iniciativa do Banco de Alimentos, representa o combate à desnutrição e a obesidade, gerando mais saúde, bem-estar, menor evasão e melhor assimilação na escola, diminuição da violência, maior inclusão social, mais respeito, mais dignidade, mais cidadania para o povo. Ao colaborar com o Banco de Alimentos, você ou sua empresa ganha o mais importante: a certeza de estar ajudando quem realmente precisa. Através desta demonstração de responsabilidade social e de cidadania empresarial, ganha também o reconhecimento dos fornecedores, da comunidade, dos funcionários, dos clientes e de toda a sociedade.

O Banco de Alimentos é um exemplo de “Auto Gestão” da sociedade, isto significa dizer que a própria população é capaz de buscar soluções para suas demandas sociais, contando além da generosidade e espírito de solidariedade da população, com a participação de “um pouquinho de cada um”, para resolver um problema de tamanha amplitude social, conhecido hoje como o maior flagelo da humanidade, a FOME.